sábado, 26 de dezembro de 2009

10:15 Saturday Night


10.15
saturday night
and the tap drips
under the strip light
and i'm sitting
in the kitchen sink
and the tap drips
drip drip drip drip drip drip drip...

waiting
for the telephone to ring
and i'm wondering
where she's been
and i'm crying for yesterday
and the tap drips
drip drip drip drip drip drip drip...

[The Cure]


quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Another year has passed and I'm alright...

E lá se vai mais um ano...
É com muita alegria que olho pra trás e percebo quantas coisas boas me aconteceram em 2009!
Tantas conquistas, tantos momentos de alegria, correria, trabalho, aprendizado... Muito aprendizado! Aos poucos me tornei alguém tão diferente.. Mudei o jeito de pensar, de agir (e como!), mudei de aparência, número de roupa, mudei, mudei, mudei. Só não mudei de casa, nem mudaram minha essência e minhas raízes.
Me separei físicamente do meu avô, mas espiritualmente continuamos sempre juntos. Conheci tanta gente nova, fiz tanta coisa diferente, viajei bastante, estudei e trabalhei muito (!), fotografei, li; aprendi a estar presente quando as coisas acontecem... Mas também me decepcionei, chorei, sofri, fiquei noites acordada remoendo.
Foi tudo parte de um grande aprendizado e muita experiência! Não mudaria NADA do que aconteceu.
Vi essa listinha em um blog, gostei e copiei (aumentei tbm). É ótima pra fazer um apanhado geral:

Cinco músicas:
- Comerciais de cigarro - Dance of Days
- Stay free - Black Mountain
- Have faith in me - A Day to Remember
- Só as mães são felizes - Cazuza e Barão Vermelho
- Lightness - Death Cab For Cutie

Cinco bandas:
- Dance of Days
- Placebo
- Los Porongas

- Death Cab for Cutie

- Funeral For a Friend


Cinco livros:
- Do amor e outros demônios - Gabriel García Márquez
- Memória de minhas putas tristes - Gabriel García Márquez
- Os funerais do coelho branco - Nene Altro
- A câmara clara - Roland Barthes

- A metamorfose - Franz Kafka


Cinco sites:

- Dumb Little Man [graças à Tálita]
-
Foto em Pauta
-
Igniting Creativity
-
Vegetarianos.com
-
Blog do Nene

Cinco cores:
- Cinza
- Preto

- Branco

- Verde

- Roxo


Cinco Lugares
- Ubatuba/SP
- Paraty/RJ
- Franca/SP

- Cascavel/PR
- Uberlândia/MG - né?

Cinco pessoas [ai! queria colocar todas!]
- Irineu
- Eliane
- Vito

- João Pedro

- Lívia

Desejo que 2010 chegue recheado de surpresas, aventuras, emoções, realizações, paz, saúde... e tudo de bom que houver!





sábado, 19 de dezembro de 2009

Short Poem

Bring me the sunset in a cup
Make the rain pour down in black and white
Find a place we both confide
Help me out when my time is up

Love me now as in the very start
Let me drenched by your tears
And when they're gone I'll make you cheered
Save my mundane heart.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

a noite inteira é tão ligeira


ontem foi dia de diversão e tietagem.
Los Porongas (do Acre) fizeram show na praça, com direito à corrida na chuva, barro (rs!), gente conhecida e agradável, autógrafos no cd, fotos com os integrantes, muita energia entre palco/público.
é como eu disse pro Diogo, vocal, a gente canta junto, se alegra junto e sofre junto.
pra mim, é a melhor banda do cenário independente brasileiro, as letras mais inteligentes, os músicos mais fodas, a energia mais legal, o show mais contagiante.
perfeito!

"...fiz um barco à vela e decidi nadar
quis uma janela e preferi fechar

vem, me leva até perto de casa

que a casa é mais perto que o fim
me leva pra longe de casa

que o acaso é mais certo que o sim..."
espelho de narciso - los porongas

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

coisinhas

tem aquele ciuminho bobo que nunca perco.
às vezes não seja tão bobo assim, mas é muito anacrônico.
a necessidade de 2 toquinhos depois de alguma mensagem de texto é enorme; o sentimento de traição se você se aproxima de alguém que não é meu amigo; o frio na espinha e coração disparado quando penso que você pode estar por perto.
não que eu não sentisse tudo isso antes, mas é, no mínimo, engraçado, fofo e um pouco dolorido.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Special Needs - Placebo

Remember me when you're the one who's silver screened
Remember me when you're the one you always dreamed
Remember me whenever noses start to bleed
Remember me, special needs

Just 19 this sucker's dream
I guess I thought you had the flavour
Just 19 and dream obscene
with six months off for bad behaviour

Remember me when you clinch your movie deal
And think of me stuck in my chair that has four wheels
Remember me through flash photography and screens
Remember me, special dreams

Just 19 this sucker's dream
I guess I thought you had the flavour
Just 19 and dream obscene
with six months off for bad behaviour

Remember me...

video

domingo, 6 de dezembro de 2009

dia chuvoso

cheio de mimos: de mim pra mim.



mousse de brigadeiro

Sabe, eu tento o meu melhor.

sempre.

sábado, 5 de dezembro de 2009

ah não!
eu preciso passar em espanhol.
nunca fiquei em nenhuma disciplina por causa de nota, e por motivo de falta o prof quer me reprovar?
tá. ele tem todo o direito dos professores argentinos de espanhol para fazer isso. mas aaaaaaaaaaaaaaaah!
imagina ter que repetir ano que vem?

/shit.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Can love go beyond loneliness?

She was sewing some socks to her nephews in the front garden when he arrived. Both knew it was love. He, as always, brought her a toy from his store and asked her about the day; her mom used to spend those afternoons with them and wanted them to get married very soon, because she knew her daughter disappointment with love. But the girl - oh! - she did not want to get rid of the loneliness that had already become a part of her. He proposed to her that very afternoon and - not to our surprise - she said "no". The man, feeling the weight of the world on his shoulders, decided to end his ordinary life. In response to his suicide, she burned her right hand in the fire and, until today, she uses a black glove tho show her widowhood: he was her last love.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

aventure-se

nada como um fim de semestre de arrancar os cabelos: estar (muito!) sem grana, sem lenço nem documento, um milhão de projetos pro mesmo dia, ter que fazer em 4 aulas o que deveria ser feito em 12 - estar ferrada no trabalho!, gritar até com a porta se esta não sai pra eu passar...
é. fim de semestre e principalmente fim de ano é a hora exata de me desesperar e chamar os cachorros.
então, em meio a falta de esperança de concretizar tudo que é necessário, aventurar-me foi a opção mais sensata.
e, quer saber? todas as minhas melhores escolhas são feitas na pressa e sem pensar.
jogar tudo pro alto e respirar novos ares por alguns dias aquece o peito!


Cascavel - Paraná

domingo, 15 de novembro de 2009

me dê a mão, vamos sair pra ver o sol

os dias tem sido mais quentes do que nunca.
além do calor físico, quase insuportável, tem o calor do coração.
este me leva a pensar que quase 1800km são exatamente da minha cadeira até a esquina.
essa distância que por tanto tempo machucou e me fez abafar sentimentos que eram [e são] tão vivos.
essa distância que por tanto tempo me fez estalar memórias e me condenou a estar a disposição de solidões desmedidas.
essa distância que, rezo para que realmente esteja prestes a acabar.
o coração está quente: cheio de fantasias, loucuras, sonhos, saudades, insensatez e vontade, muita vontade de realizar tudo isso.

"fica assim aqui perto
que o teu cheiro me faz seguro,
teu calor me protege,
e teu corpo me cura o vazio (...)
ah! fica perto então,
que tanta solidão já feriu demais"
D.O.D



quinta-feira, 12 de novembro de 2009

habilitação

ontem passei na minha última prova de direção!
minha pauta vanceria hoje, se não tivesse passado..
maaaas, agora sou alguém habilitada e uberland que se cuide: tô na área.

domingo, 8 de novembro de 2009

environmental matters

chuvas de novembro

um tanto clichê, mas não poderia deixar de falar das chuvas de novembro.
tão frias e inesperadas. entro pra sala de aula, tá derretendo; saio, tá chovendo!
fico de alma lavada, chego nos lugares com os pés encharcados, e os únicos que não permito serem molhados são meus livros [que são muito mais prazerosos com chuva].

"And on the radio
You hear November Rain
That solo's awful long
But it's a good refrain
You listen to it twice
'Cause the DJ is asleep"
Regina Spektor

I'm so happy when it rains (:

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

twenty :)


Dia 31 de outubro, as 10h20 da manhã, há 20 anos atrás, eu nasci.
Era terça-feira, e não sei como estava o clima. Acho que choveu.
E então, dos 19 para os 20, mudei de década. Muito estranho.
Apesar de ainda não ter vivido algo muito concreto que me colocasse frente a frente com meus vinte anos, estou em uma fase crítica.
Penso em tudo que passou e que passei... será que foi esse tempo todo? O que aconteceu com aqueles amiguinhos? A comida preferida? Aquela boneca?
Cadê aqueles cheiros? E as pessoas que não estão mais comigo? Aonde se meteu o barulho do portão grande abrindo passagem pra garagem?
Questionamentos que não tem resposta. E é difícil aceitar.
Não sei se sou adulta ou adolescente. Criança, ou velha demais.
Os acontecimentos me confundem ainda mais, pois, faculdade e 2 trabalhos é coisa de adulto. Indecisão no amor é coisa de adolescente. Não sair pras 'baladas' e ficar estudando ou dormindo é coisa de gente velha e não existe nada mais infantil que chorar por ciúmes bobos de coisas materiais.
Sei lá, acho que são os 20, nada mais. Ou também pode ser o peso de tudo que já foi, o prazer do que acontece agora e o gosto de fruto pouco conhecido do que vem por aí.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

corriqueirisse

acho que usei de um neologismo no título, mas não importa. o que vou escrever não tem nada de novo.
terça-feira de final de outubro típica em uberlândia. chuvosa, cinza, nem tão calorenta.
às 8h e pouco, chego à faculdade para apresentar um seminário; incrível como aquele assunto não consegue me envolver. às 9h30, com o trabalho já apresentado, eu e Lívia, Lívia e eu (somos um quarteto) estávamos a caminho do CEMEPE, que custamos a encontrar. chegando lá... que ambiente maravilhoso! que clima nostálgico! que lugar fresquinho! entrei em estado de êxtase logo na chegada. ao abrirmos nosso painel para expormos no "II Seminário Municipal de Literatura e Língua Portuguesa e IX Encontro do Proler: políticas de leitura" tive certeza, uma sensação de que meus olhinhos brilhavam, um pouco fechados pelo sono que sinto o tempo todo. aquele sim, aquele é um assunto que me agrada, que me faz querer pesquisar sempre mais. e quando chegou uma moça dizendo: - Ah! o trabalho sobre Literatura Indígena é de vocês? Fiquei muito curiosa quando li o resumo!, nossa! eu derreti.
após o momento de exposição, almoçamos [uma maravilha de comida!], ficamos um bom tempo rindo de coisas chatas e terríveis que já aconteceram. então fomos para o minicurso que havíamos nos matriculado.
viemos embora de um dia cansativo e alegre, satisfeitas com mais um dia comum. para mim, um dia totalmente ímpar, para muitos um dia qualquer.

sábado, 24 de outubro de 2009

IDENTIDADE


Ontem aconteceu a festa de Halloween de um dos lugares em que trabalho, e me vesti de Joker, o vilão do Batman. Gosto muito de me transformar em personagens que admiro, e que de alguma forma tem um pouquinho de mim. É incrível caminhar no shopping fantasiada, como se pudesse fazer qualquer coisa, afinal, era o Joker quem estava ali.
Meu personagem ontem tinha uma característica muito forte: olhos vermelhos, de sono; há uma semana que durmo apenas 3 horas por noite, e não é por insônia. Mas, apesar de todo sono do mundo, eu e Thaís (que trabalha comigo) decidimos ir ao jambolada [que é um festival independente] fantasiadas!
Perdi a conta de quantas pessoas me pararam para dizer que curtiram, as que riram, as que passaram longe. Várias delas quiseram minha plaquinha [Why so serious?], outras quiseram me fotografar, pensaram que eu faria alguma performance, acharam que estava fazendo intervenção, que era do curso de artes cênicas, até dicas de maquiagem eu ganhei: "tinta e pancake estragam a pele, tenta fazer só com corretivo!"; em contrapartida a todo esse carinho, também tem aquelas pessoas que te olham estranho e não conseguem guardar a má opinião para eles, mas, fizeram parte da minha noite divertida.
"Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é", já dizia Caetano. Atrás de toda aquela maquiagem e fantasia estava eu, como todos meus defeitos e qualidades, morrendo de sono, pensando em como faria para acordar cedo e trabalhar hoje. As minhas dores são muitas, mas as delícias eu nunca esqueço e quero sempre mais.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

lâmina a cada dia mais afiada


sempre quero que seja diferente, mas percebo que nunca saio d0 mesmo ciclo.
além de me machucar e sofrer, causo isso nas pessoas, e juro que não é minha intenção.
sempre deixando marcas por aí, e estraçalhando meus ossos de vidro.
o conforto é que as marcas também podem ser boas; o que não deixo é de fazê-las.

["Quer segurança? Vai brincar com cotonete."]

terça-feira, 20 de outubro de 2009


Leave me bleeding on the bed
see you right back here tomorrow
for the next round.
I'll be wallowing in sorrow
wearing a frown like pierrot the clown;
pierrot the clown.


Placebo

sábado, 17 de outubro de 2009

highlights da semana

~> ir à aula em um só dia da semana dá a sensação que já formei! (rs)
~> quero mais feriados prolongados com direito à praça, 'morro dos ventos uivantes' pela milionésima vez [dormindo e conversando durante o filme], ver estrelas de pé sobre o murinho da varanda, matar baratas de madrugada, e dia das crianças repleto de gente boa e coisas divertidas!
~> minha semana é sempre cheia de uma série de rotinas e surpresas [algumas muito prazerosas, outras nem tanto] mas essa semana não tomei café na padaria segunda-feira :(
~> trabalhei muito, li muito e passei muito calor! foi tudo muito;
~> quero um laboratório de fotografia em casa, com muitas luzes [de segurança] vermelhas;
~> dúvida: não sei do que vou me vestir no halloween!
~> (sempre) tão García Márquez...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Everyday is Teachers' day!


Leiam no blog da minha turma o que escrevi sobre essa nossa tão importante profissão:

http://lihiepe2009.blogspot.com/2009/10/everyday-is-teachers-day.html

sábado, 10 de outubro de 2009

essência e cor [ou a falta de]

tudo que leio, vejo, ouço, se mistura tanto com minhas cores que não sei distinguir o que é meu e o que se torna meu a cada instante.
gosto de observar tudo detalhadamente, ouvir com cuidado e ler com vontade.
ao observar calmamente as coisas, quadros se formam pra sempre em minha memória, quase fotográfica, mas sempre tem trilha sonora. o que não me deixa em paz, mas que me dá um prazer incrível. estranho como sempre observo pensando como vai ficar depois de "editado".
ouço tudo com cuidado e muitas das vezes ainda me escapam os sons. odeio. tento imaginar todos
os que estão por vir, e os entendo como quero e sinto.
leio com muita vontade, como se os livros tivessem nascido comigo e não se desgrudassem da minha alma. parece que já li todos eles antes, e só resta uma vaga reminiscência, por isso escolho cuidadosamente cada um.
enfim, sou. sou em essência e cor um pouco de tudo, sou tudo de um pouco, tudo de todos e um pouco de ninguém. ou a falta de tudo isso.


domingo, 4 de outubro de 2009

e se eu dissesse que sempre arrisquei?

você ainda ia querer?
agonia, busca e certeza;
e a certeza é que não faz sentido ao medo que nunca passa.

EU MESMO NUNCA SEI!

só sei ser assim.
nunca consegui brincar de ter certeza
nem ter 100% de não dúvida.

nada concreto.
nenhuma teoria.
nenhum cálculo.

paixão, devora esse silêncio,
e diz onde há certeza nessas mãos...
eu mesmo nunca sei.

(trechos do texto de Nenê Altro que deu origem à música 'Teorias de viver' somado com trechos da própria música)

-> Por que ele me entende tanto?

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Carta à Camila

Olá querida!


Te escrevo esta carta pra dizer que vai tudo mto bem.
E tbm pq faz tempo que não escrevo pra ti...
Sinto falta dos recadinhos fora de hora, das lágrimas enxugadas, dos abraços esmagadores, das confissões de todo dia.
Sei que estamos cada uma seguindo o caminho que deveríamos, e ainda bem que os caminhos estão próximos. Não suportaria ter que te ver partir... Sofri tanto por pensar que vc ia embora!
Só eu sei.
Se um dia tiver que ir, vá, não, não vá por favor.
Você fez e faz parte de tudo que é importante na minha vida... e assim vai ser sempre. Quantas descobertas! Risadas! Momentos indescritíveis! SENTIMENTOS novos.
Luar, chuva, prego no tênis, folha de arvore com suor, arco-iris.
Quão perto de vc é perto o bastante?
Sempre penso em lhe escrever algo muito bem feito e acabo em fluxos de consciência. Não consigo organizar meus pensamentos para lhe escrever, vc ocupa muitas partes do meu coração, o que me deixa muito confusa ao falar de/para vc.
O essencial, na verdade, é que "se olhar a frente posso te mostrar que ainda vou estar aqui; cuidando da gente".

Beijo enorme,

Pikes.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

"Café não tem nada a ver com amor.
Café desce rasgando e te deixa ligado.
Amor não.
Amor é tipo leite.
Tem prazo de validade curto e azeda muito rápido.
E longa vida tem conservante.
Uma mentira embalada.
Só parece seguro porque está em uma caixinha.
Depois que abre é igual a qualquer outro."


Os Funerais do Coelho Branco - Nene Altro

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

your picture: a bitter memory

Be sure that I do not want to feel anymore for you.

sábado, 12 de setembro de 2009

Dancing with myself


Descobri que minha companhia é adorável e que não preciso que ninguém saia comigo pra que seja divertido.
Desde a filmes de terror no cinema, pequenas caminhadas, teatro, sorvete, viagem... é tudo muito bom.
Sem falar nas vantagens de não ter que esperar por ninguém, não ter que ouvir se querem ou não ir àquele lugar, e tantas outras... São momentos de reflexão e (tentativa de) auto-conhecimento; e não sei por que demorei tanto para aceitá-los.
Descobri que sou a melhor parceira de dança que posso ter.


"...when there's no one else in sight
In a crowded, lonely night
well, I waited so long for my love vibration
And I'm dancing with myself!"

domingo, 30 de agosto de 2009

Um dia na vida. Outro fósforo, outro sol.

Não existe nada vivo/Dentro desse quarto; apesar de eu estar aqui, é como se o mundo que eu tanto quero estivesse invisível a meus olhos. Então Todo dia eu pego o medo/Meço, mato e guardo; de que importa né? não posso me prender aos meus medos, mas nem por isso eles deixam de existir. Num cansaço calmo de sobreviver é que tento alcançar essa artimanha que é sobre-viver. Um dia na vida vale pra comemorar/O nosso encontro em nenhum lugar, e também a tolice que, por acaso, toma conta dos meus pensamentos e me faz acreditar que tá tudo indo muito mal, e que esse encontro é realmente uma bobagem que não sai do plano das idéias!

PRA QUE ESCREVER POESIAS NO PAPEL HIGIÊNICO E DEPOIS SE LIMPAR COM AS TRISTEZAS DE SEMPRE? Pra que? Por que insisto nisso? Mesmo sabendo que estarei me limpando com as tristezas de sempre, não consigo parar de escrever poesias no papel higiênico! Apesar disso, continuo tentando, talvez algum dia as minhas 'poesias' não irão para a 'lixeira', ou quem sabe eu me limpe com as alegrias que escrever.

Um dia na vida/Outro fósforo, outro sol, e daí por diante. Está sendo impossível controlar as mudanças, o que se tornou ótimo! Tenho deixado meu complexo de auto-sabotagem esquecido ali no canto... "A vida é um piscar de olhos/E o amor, um alô e um tchau". Talvez eu deva viver mais esse clichê de 'aproveitar a vida', pois Um dia na vida passa de carona na esquina/UM DIA NA VIDA VALE QUALQUER TENTATIVA!


Por Eu, Cazuza e Maurício de Barros.


terça-feira, 28 de julho de 2009

10 coisas que aprendi com o João Pedro





João Pedro é um adorável menino de 1 ano e 3 meses que veste roupas para crianças de 3 anos. É filho do meu primo, então JP é meu priminho. É uma doçura de neném, e aprendeu a me chamar de Bebê (qd ñ diz mamãe). Listarei as 10 coisas mais importantes que aprendi ao passar 4 dias grudada nele:

1 - Faça o que estiver ao seu alcance para conquistar alguém: fique nervoso, grite, chore, sorria, mande beijos e beije;
2 - Olhe tudo que lhe interessa mais de perto, bem pertinho;
3 - Se algo é bom, repita, repita, repita, repita até encontrar algo melhor;
4 - Fique de cócoras sempre que possível;
5 - Seja carinhoso com quem você gosta;
6 - Aprecie a simplicidade. É como se você tivesse vários brinquedos sofisticados, mas o que mais gosta é aquele de montar, sem nada de mais;
7 - Olhe para o céu com admiração, e mande beijos (sempre);
8 - Se for para chorar, chore muito, descabele, faça com que seja suficiente;
9 - Coma sem medo o que acha gostoso, e faça "uuuhm";
10 - Seja feliz apesar das diversidades da vida.

Cada vez mais percebo que a vida é uma via de mão dupla, e que todos temos o que ensinar e aprender, basta estar de coração aberto e prestar atenção nos fatos! Às vezes nos são tão óbvios, que escapam, mas temos sempre que resgatar essa capacidade de "ver o lado bom" e aprender com qualquer situação.

JP.. a Bebê te ama.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

“Feliz aquele que nunca repara se está no inverno ou no verão.”
(Anton Tchekhov)


É tão bom sentir que a cada dia tenho um destino novo, caminhos novos. Lugares já frequentados mas que mudam de sentido. Preocupações despreocupadas, tudo a seu tempo, deixando que a vida tome seu rumo.

domingo, 28 de junho de 2009

Enjoy this constant reminder!


A constant reminder - It Dies Today

We awoke in the midst of a vicious cycle,
Becoming the satellites whose transmissions are static served.
As of late, it seems my audience has been lacking.
I can only pray that you're tuning in during a moment of clarity,
Just to hear me utter these spiteful words before the signal fades.

Here's hoping this becomes the soundtrack to your misery,
The hook that rips right through your chest.
Enjoy this constant reminder of your fickle nature,

And the hideous façade you wear so well.


The crowd gasps in awe as my head began to swell,
And the whites of my eyes slowly turned, slowly turned to red.
Just then did gravity created such a dramatic end.
I can only pray that you're tuning in during a moment of clarity,
Just to hear me utter these spiteful words before the signal fades.

Here's hoping this becomes the soundtrack to your misery,
The hook that rips right through your chest.

Enjoy this constant reminder, my double standards,

And the hideous façade I wear so well.


The twilight, projects this message,
To a populous who's turned their backs.
The twilight, screen my words across the sky,
Look up in wonder.

Here's hoping this becomes the soundtrack to your misery,
The hook that rips right through your chest.
Enjoy this constant reminder of your fickle nature,
And the hideous façade you wear so well.
Enjoy this constant reminder, fade as we burn.
Enjoy this constant reminder, fade as we burn.
Enjoy this constant reminder, and the hideous façade you wear so well.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Entregar e confiar


Em dias tão difíceis, dias de discórdia, dias de tristeza, não há muito o que fazer senão entregar e confiar.
A fé é como uma sementinha. Se você plantá-la e dormir tranquilo, no outro dia estará germinada, no outro já será plantinha e aos poucos se transformará em uma frondosa árvore. Mas, se vc plantar a semente e for mexer nela todos os dias, abrir a terra para vê-la, ela morrerá.
Sei como é difícil, é como um salto no escuro, mas é necessário.


Tento constantemente não mexer na minha semente, e confiar.

sábado, 13 de junho de 2009

Robert J. Smith & Bethany Poole


Eu realmente não sei. Não sei pq ñ me chamo Bethany Poole. Seria bem mais fácil.
Teria sido a primeira e única namorada de Robert Smith, esposa; estaríamos juntos há 35 anos. Compartilharíamos prazerosamente do mesmo batom vermelho. Não nos desgrudaríamos por um momento só, e eu seria parte dele. Mas ele, ahh! Ele faz parte de mim. Ainda não encontrei UMA música que Smith escrevesse que não pertença (um pouco sequer) a mim.
É como se ele soubesse tudo o que sinto. É como se eu fosse a Mary Poole mais jovem, e que Smith não conheceu. Uma pena :(
Mas, quem sabe exista um Smith dando sopa por aí... quem sabe ele escreva Lovesong pra mim!
Enquanto me agarro a hipóteses, usarei uma frase do R. Smith sobre meu sentimento em relação à ele: "Looking so long to these pictures of you, but never hold on to your heart"...

But, baby, however far away, you'll always be just like heaven ;)

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Mas... Por que sinto que a festa acabou?


I don't wanna be the girl who laughs the loudest or the girl who never wants to be alone; I don't wanna be there callin' at 4 o'clock in the morning 'cause I'm the only one you know in the world that won't be home. [...] I'm safe up high, nada pode me tocar... mas, por que sinto que a festa acabou? No pain inside; You're my protection. So how do I feel this good sober?
I don't wanna be the girl that has to fill the silence, a quietude me assusta porque escancara a verdade. Please don't tell me that we had that conversation, eu não vou me lembrar, save your breath, 'cos what's the use?
And If I let myself go I'm the only one to blame.
When it's good, then it's good, it's so good 'till it goes bad. Quando é bom, então é bom, é tão bom até se tornar ruim.
Why do I feel this party is over? How do I feel this good sober?

Eu em parceria com P!nk.

terça-feira, 2 de junho de 2009

"Um dia frio...


um bom lugar pra ler um livro;
e o pensamento lá em você..."

Peraí. O que?
Nada disso!
O dia mais frio do ano é um marco!
O vento de manhãzinha ressecando o rosto. A mão fria no bolso da blusa. O abraço apertado simulando um ganho de 5kg ou mais. Almoço quentinho que logo esfria. Conversa jogada fora sentados no sol. Vontade de comer chocolate. Não ir à academia. Agasalho o dia todo. Msn fora de hora. Vontade de ver aquela pessoa especial, e aproveitar pra se aquecer. Ir trabalhar usando roupas que simulam o clima temperado. Voltar congelada pra casa. Chuveiro na posição inverno (até que enfim). Algo bem quente pra comer, arebaba e cama!
Ai que delícia!

Amo o frio!

domingo, 17 de maio de 2009

Chega de falso moralismo

Sim, estou muito chateada.
Sabe quando seu herói te decepciona?
Tá bom, há muito que não tenho heróis. Mas nunca pensei me decepcionar com pessoas as quais colocaria a mão no fogo.
Sempre segui seus exemplos, e até me sentia errada frente a tantos acertos; só que nada disso faz sentido mais.
E ainda assim, quer me corrigir, me ensinar, e me cobrar?
Chega desse falso moralismo. É muito triste, e dói dizer, mas, você não é mais meu espelho.
Espero que volte para o caminho 'certo'; no que depender de mim, direi sempre a verdade, e não tenho mais medo.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Sejamos bons pastores

O bom pastor é o que dá a vida por suas ovelhas.
As conhece como ninguém; e elas o seguem.
Não basta mantê-las quietas, juntas, e dar-lhes o que comer.
É preciso dedicação, vontade e coragem. Coragem para enfrentar o lobo quando este aparecer.
Ás vezes é necessário fazer as ovelhas enxergarem que estão no caminho errado, e guiá-las pelo certo.
Ser bom pastor em qualquer lugar não é uma tarefa fácil. Em casa, nas ruas, onde estivermos.
O que não falta por aí é gente dizendo-se bom pastor, mas que em casa o lobo toma conta do rebanho.
E além disso, ser pastor de ovelha é simples comparado a ser pastor de mula. Essas sim são complicadas! Mula é que precisa de cabresto, mula é que não quer mudar de jeito nenhum. E as que mais precisam.
Então, sejamos bons pastores. Façamos o que for preciso para apaziguar nossas ovelhas e endireitar nossas mulas. Sim, NOSSAS mulas; todo mundo tem alguma(s).

"Eu sou o bom pastor. As minhas ovelhas obedecem à minha voz. Eu conheço-as e elas seguem-me. Dou-lhes a vida eterna." (João 10, 11a.27-28a)

domingo, 19 de abril de 2009

Não gosto de best-sellers


É estranho. Mas tenho repulsa de me imaginar lendo um best-seller. Na verdade, é totalmente explicável.
Nada contra o livro em si, mas contra toda a atmosfera que gira em torno dele.
Adolescentezinhos eufóricos porque são intelectuais e estão lendo o livro do momento; pessoas que não entendem nada de literatura se achando o ban ban ban; o único assunto em qualquer lugar que eu vá. Os best-sellers nunca me deixam.
Penso em quem nunca teve oportunidade alguma de ler Manuel Bandeira, Drummond, Fernando Pessoa, e baseam o mundo em seus best-sellers.
É inconcebível ler um best-seller em algum lugar público, quando todos ao seu redor te imaginam mais um seguidor da moda. Tenho vergonha.
Pois bem. Eu, com todos as minhas armas contra best-sellers a postos, fui surpreendida.
Um dia qualquer no trabalho, vi sobre a mesa um livro com a capa muito interessante, que despertou totalmente a minha atenção: era em sua maioria, branca neve; uma árvore seca, desfolhada; uma forma humana vestida de preto, com um guarda-chuva vermelho sangue.
Me encantei pela capa, o mal estava feito.
Perguntei à minha amiga se o livro era dela, e, com a resposta afirmativa, pedi pra olhar mais de perto. Então sondei-a pra saber se ela já estava terminando de ler, pra que eu pudesse ler também, é claro. O instinto falou mais alto.
Ela ainda não estava acabando de ler, mas a minha vontade era tremenda. Como pôde uma capa fazer isso com o meu ego? Justo comigo? tsc tsc.
Dias e dias esperando, quando finalmente, o best-seller estava em minhas mãos.
Não vou mentir que, no início da leitura, tive vontade de abandoná-lo. A velha repulsa.
Mas, decidi continuar. E confesso que só parei pra postar aqui.
Liesel Meminger é uma menina de 11 anos que vive na Alemanha nazista, em tempos de guerra, e tem sua história contada pela Morte. Magricela, pernas finas, mas de personalidade muito forte, e (diga-se de passagem) está me conquistando aos poucos. Liesel foi minha companheira de fim de semana, e vai ser de feriado agora. Os textos acadêmicos que esperem, tenho que terminar de ler o best-seller.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

A hora do cansaço

(Carlos Drummond de Andrade)

As coisas que amamos,
as pessoas que amamos
são eternas até certo ponto.
Duram o infinito variável
no limite de nosso poder
de respirar a eternidade.

Pensá-las é pensar que não acabam nunca,
dar-lhes moldura de granito.
De outra matéria se tornam, absoluta,
numa outra (maior) realidade.

Começam a esmaecer quando nos cansamos,
e todos nos cansamos, por um ou outro itinerário,
de aspirar a resina do eterno.
Já não pretendemos que sejam imperecíveis.
Restituímos cada ser e coisa à condição precária,
rebaixamos o amor ao estado de utilidade.

Do sonho de eterno fica esse gozo acre
na boca ou na mente, sei lá, talvez no ar.

domingo, 29 de março de 2009

Ah! Se eu pudesse!


Se eu pudesse expressar o que sinto agora!
Mesmo sem conseguir, sei que me sinto exatamente como nos 3'32seg (e daí por diante) da música Take me in - Kutless.
Sou som nesse momento.
Obrigada por me fazer sentir.

[Take me into the holy of holies
Take me in by the blood of the lamb

Take me into the holy of holies

Take the coal, touch my lips, here I am
]
~> Take me in (Kutless)

E a vida?

E a vida vai bem, do jeito dela mesmo.
Sem muitos nhen nhen nhens, mas, muito boa, obrigada.
Sempre sentindo falta do que passou, mas, aproveitando o que é novo.
Saudades de algumas pessoas (muitas, na verdade), mas, convivendo o máximo com as que estão por perto.
Muuuuitas sensações excepcionalmente novas, e aquelas que insistem em voltar.
E ela segue perfeitamente bem. Nada que a própria vida não resolva (sim, a minha vida tem vida própria).

(:

sexta-feira, 27 de março de 2009

Should I stay or should I go?

Por que, as vezes, é tão difícil decidir?
Hein?

Should I stay or should I go now?

domingo, 22 de março de 2009

Wild wind


Sim, o vento pode ser selvagem, e mesmo assim causar alegria.
Só depende de onde ele vem. E de quanto tempo você não o sente (se é que já o sentiu).
O mesmo vento que antes te enchera de preocupações e angústia, hoje, ao quase arrancar os seus cabelos provoca a melhor sensação do dia. E que dia! Um dia como outro qualquer, porém, que nunca aconteceu antes. Cheio de pequenos detalhes. Como se fosse um pasto, com algumas vaquinhas tão iguais, e totalmente diferentes!
Tudo tão simples! :D
Pequenos detalhes tão simples.
Ventos selvagens muito simples.
Escolhas tão simples.
Pessoas tão simples.
Vida tão simples.

"Oh you can ride the wild wind
And find the demons at your door
Or you can wear a fresh face
With sticky fingers, you want more

Yes you could hang for dear life
Oh, but you know you'll hang for more
Yeah, you know you'll hang for more"

[Wild wind - Black Mountain]

sábado, 21 de março de 2009

Para um bom começo

Se o começo não for bom, ah!, o resto desanda.
Já diria o meu instrutor de volante: - Você tem que fazer uma boa saída, é isso o que importa.
Bom, se ele fosse ler esse post se orgulharia de mim instantaneamente.
O começo pode até ser bom, mas se não houver força pra continuar... Não vira nada.
(confusão)
Acabei de perceber que não sei falar sobre o começo. Espero que esse seja bom.
Contradição?